Buscar no site:
Alta Produtividade desperta interesse a mais de 200 produtores de Cacau em Ibirapitanga

 

Salão cheio. Mais de duas centenas de produtores rurais de Ibirapitanga e cidades vizinhas, como Ipiaú, Ubatã, Ubaitaba, Aurelino Leal, Ibirataia e Barra do Rocha, todos muito atentos ao evento realizado pela extensão rural da CEPLAC e promovido pela Secretaria de Agricultura do município de Ibirapitanga com participação do escritório local da Ceplac, Sindicato Rural e Senar.  

O título do Seminário: CACAU 500 Arrobas – Tecnologia para a Alta Produtividade. Os técnicos da Ceplac Ivan Costa e Souza, Rozenilton Klecius e Jackson Prado fizeram apresentações sobre os fundamentos do projeto de Alta Produtividade para os produtores a fim de motivá-los a criar Grupos e ser capacitados pela Ceplac para aumentar a produtividade de cacau de suas fazendas e baixar o custo de produção. 

 

O técnico da Ceplac Arnaldo e o produtor Eraldo Assunção. A Patioba participa do projeto Alta Produtividade com bons resultados. 

O evento teve aulas teóricas e a parte prática, realizada na Fazenda Patioba, com demonstração em campo das práticas de poda, desbrota e polinização manual. 

 

Produtores aprendem modernas técnicas de poda do cacaueiro.

Os técnicos mostraram com o método de produção de cacau do projeto Alta Produtividade como é possível, por exemplo, se reduzir o custo de mão-de-obra de 56 para 10 diárias, eliminando a desbrota, utilizando a técnica de despiolhamento, na poda, com a redução da altura das plantas e eliminação do uso de podão e facão. 

Outra tecnologia que despertou a atenção dos produtores foi a da polinização manual com alto índice de pegamento, que é capaz de aumentar o número de frutos por planta. Um curso completo de polinização está sendo estruturado para os produtores de Ibirapitanga a ser desenvolvido na Fazenda Patioba. 

 

O Extensionista Ivan Souza faz demonstração a produtores atentos. 

FORMAÇÃO DE GRUPOS  

No projeto CACAU 500 arrobas são oferecidos aos produtores quatro projetos para ele definir sua adesão. O projeto 1, com 200 plantas para quem não tem recursos. Deve começar com 200 plantas e 100 plantas, toda tecnologia sem polinização, chamado testemunha, e 100 plantas com polinização para que o produtor sinta o confronto que existe entre acrescentar mais uma prática que é a polinização manual na sua área. 

Aqueles que têm mais recursos fazem o projeto 2, a modalidade com 1.000 plantas, sem polinização. 

Os projetos 3 e 4, com mil plantas com polinização, tem o objetivo de produzir 100 arrobas de cacau, com cacau  novo de dois a três anos, bem nutrido e clonal para que se alcance 100 arrobas no primeiro ano, com polinização manual. 

Ao ser formado, o Grupo escolhe um coordenador, que faz a organização para o funcionamento das excursões, dos encontros, repasse de técnicas, mensagens e análise de resultados com o acompanhamento técnico. 

Qualquer município pode participar do Projeto CACAU 500@. Basta formar grupos de produtores e entrar em contato com a extensão rural da Ceplac.  

 

Presente ao evento, o Prefeito Isravan Barcelos afirmou que via ali perspectivas extraordinárias para o cacau em Ibirapitanga. 

Já foram formados 27 Grupos de produtores. O grupo 1, 2 e 3 em Ilhéus, mais 2 em Valença, 3 em Ituberá, 2 em Camamu, 2 de Teolândia, 2 em Jequié, um grupo de Gandu, um grupo de Ubaitaba, um grupo de Uruçuca e um grupo de Canavieiras e agora estão sendo formandos grupos em Buerarema, Itamaraju, Valença, Mutuípe é Linhares, além de 37 pessoas avulsas que são acompanhadas e ainda não têm grupo. 

BENEFÍCIOS

O Extensionista Ivan Souza informou que nos Grupos formados a compra em comum já barateou o custo dos insumos. “Hoje” – disse Ivan – “ao comprar o chamado adubo A na praça por 130,00 a 140,00 reais, na compra em comum se reduziu para 92 reais; uma redução  em torno de 35 a 40 por cento do custo na compra de insumo e não só na compra de adubo, mas também de inseticida, de fungicida e de todo material instrumental de uso de motores e máquinas.” 

Além da compra em comum se faz a venda em comum. Os produtores podem vender os produtos deles juntos, formando volumes de qualidade e que possam vender o cacau com preço melhor. Estão conseguindo em torno de 15 por cento a mais no preço do dia com venda em volume feita pelos Grupos do Projeto 500@.  

 

COORDENADORIA REGIONAL BA/SE 

NUCOM – Núcleo de Comunicação  

Jornalista: Raimundo Nogueira 

Fotografia: Rita Santos

Assessoria de Comunicação da Ceplac
Monday, 11/4/2019