Buscar no site:
INCRA busca apoio da CEPLAC/MAPA para aumentar a produção de cacau nos assentamentos

 No último dia 22, a CEPLAC/MAPA recebeu a visita do coordenador geral de Infra-estrutura e diretor de Desenvolvimento de Projetos de Assentamento do INCRA - Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, Douglas Souza de Jesus, que veio buscar o apoio tecnológico da Instituição visando intensificar ações para aumentar a produção de cacau nos assentamentos da Região.

O coordenador do INCRA, acompanhado do representante do Instituto no Sul da Bahia, Marcos Neri e do presidente do Consórcio Intermunicipal da Mata Atlântica – CIMA e prefeito de Santa Luzia, Antonio Guilherme, reuniu no auditório do Centro de Extensão, com o coordenador de Planejamento e Projetos Especiais da CEPLAC/Sueba, Antonio Zugaib e com o chefe do Centro de Extensão, João Henrique, além de pesquisadores e extensionistas do órgão.

Segundo Douglas Souza, responsável pela elaboração de propostas direcionadas ao desenvolvimento e recuperação dos projetos de reforma agrária, “nosso objetivo na CEPLAC é estreitar as relações institucionais na busca do seu apoio tecnológico. O INCRA demanda uma área muito grande na região cacaueira com algo em torno de 90 assentamentos e 7 mil famílias assentadas, e a CEPLAC detém toda a tecnologia  do pacote sobre a cacauicultura, então a ideia nossa é incentivar  os assentados  para utilizar essas novas tecnologias”.

“Nós estamos construindo em conjunto, um projeto com a atividade na área ambiental, principalmente com cacau agro ecológico, o cacau cabruca, para que seja colocado o mais rápido possível em execução. Queremos o apoio da CEPLAC como grande difusor dessa tecnologia de recuperação  e implantação em áreas de cacau  de alta produtividade”, enfatizou o coordenador do INCRA.

Para desenvolvimento desse projeto junto aos assentamentos, o INCRA está envolvendo além da CEPLAC, outros órgãos: IFBA, IF-BAIANO e CIMA. “A nossa perspectiva é que, após essa etapa de visitas e acolhimento das propostas de todos os órgãos, possamos formatar o projeto e já agora em março entregá-lo na casa civil e esperar o decreto presidencial para liberar o uso desse crédito. Esperamos que no máximo em abril tudo seja definido para começarmos a execução do projeto”, explicou Douglas Souza.

Ao final do encontro, o presidente do Assentamento Terra Vista em Arataca, Joelson Vieira de Oliveira, ressaltou a importância da parceria entre a CEPLAC e o INCRA. “É fundamental para nós assentados esse apoio; vai ajudar a desenvolver essa região que está tão sofrida, muito carente e precisa urgentemente que as autoridades queiram construir uma nova realidade aqui nessa região, unindo esforços, em um grande projeto  de desenvolvimento  para garantir uma futura geração  mais equilibrada, mais consciente e acima de tudo  muito ligado a questão da cabruca e meio ambiente”.

Joelson Oliveira parabenizou a CEPLAC pelo trabalho que vem apresentando sempre  na região e deixa o recado as famílias de assentados do Terra Vista, no sentido de sempre buscar a organização e dar continuidade ao processo  de transição agro-ecológica juntamente com o processo educacional. “Hoje nós temos 55 famílias assentadas, o tamanho da área é 913 hectares, com 313 hectares de mata atlântica preservada e 300 hectares de cacau cabruca. Já estamos a 18 anos fazendo uma transição agro-ecológica, então estamos organizados nesse sistema e esse projeto veio no momento que nós necessitamos”.

O presidente do Consórcio Intermunicipal da Mata Atlântica – CIMA e prefeito de Santa Luzia, Antonio Guilherme, avaliou positivamente o encontro reunindo representantes de instituições qualificadas. “Temos a certeza que com a participação da CEPLAC tudo vai dar certo e temos que unir esforços e trabalhar para dar melhores condições aos nossos assentados, pois quem ganha é toda a região cacaueira”.

O chefe de Planejamento e Projetos Especiais da Sueba, Antonio Zugaib, na oportunidade, representando a Superintendência, destacou a importância do projeto apresentado pelo INCRA. “Esse projeto é muito relevante para a nossa região cacaueira, por alavancar a produtividade existente nas áreas de assentamentos localizadas na região e proporcionar o incremento econômico, gerando renda e emprego para as famílias de assentados e demais produtores”.

Os assentamentos terão acesso às novas tecnologias da CEPLAC que permitem o aumento da produtividade, com destaque para o projeto “Cacau de Alta Produtividade”, que teve durante o encontro suas diretrizes explanadas pelo extensionista da CEPLAC, Ivan Costa e Sousa.

De acordo com o representante do INCRA no Sul da Bahia, Marcos Neri, o assentado que desejar outras informações pode procurar a sede do INCRA em Itabuna ou ligar para a Secretaria de Desenvolvimento do INCRA em Brasília (61-3411-7130).

 

Jornalista: José Carlos Peixoto

Reportagens: José Hamilton  - Fotos: Águido Ferreira

Assessoria de Comunicação da Ceplac
Friday, 3/2/2018