Buscar no site:
Palestras técnicas, debates e homenagens marcaram o III Fórum de Prevenção à Monilíase do Cacaueiro

Palestras técnicas e homenagens foram destaques da abertura, no último dia 29 de novembro, no auditório Hélio Reis (Cepec), do III Fórum de Prevenção à Monilíase do Cacaueiro: Pesquisa e Defesa Fitossanitária (FPMC), promovido pela Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira – CEPLAC/MAPA, em parceria com a Agência de Defesa Agropecuária da Bahia – ADAB.

O Fórum reuniu produtores rurais, pesquisadores e técnicos da área agrícola, profissionais ligados à inovação, agentes de transferência de tecnologia (TT-ATER), com o objetivo de apresentar as mais adequadas ações e estratégias de enfrentamento da doença, além de prover e divulgar aos participantes os necessários conhecimentos das realizações de pesquisas preventivas à Monilíase do cacaueiro e ações de defesa fitossanitária.

O Superintendente da CEPLAC/MAPA- Bahia, Carlos Alexandre Brandão, ressaltou em sua mensagem de abertura a importância do evento para a cadeia produtiva do cacau. “E uma grande oportunidade para a CEPLAC, através dos nossos técnicos, interagir e compartilhar com os produtores e entidades parceiras, os trabalhos que ela vem desenvolvendo desde 2007, a partir das ações preventivas que integram o Plano de Contingência da Monilíase do cacaueiro”.

Presente a solenidade de abertura, o Diretor da CEPLAC/MAPA, Juvenal Maynart, explicou que o Fórum foi o desdobramento do Seminário, realizado no dia anterior, com a sua participação, sobre “Fitossanidade na Cacauicultura no Brasil”, com objetivo de debater os problemas atuais relacionados ao manejo fitossanitário da cultura do cacau no Brasil e das ameaças representadas por pragas quarentenárias, e propor ações para melhorar a capacidade de vigilância do setor frente à ocorrência de pragas.

 

 

A programação teve sequência com homenagens aos pesquisadores Ricardo Sgrillo (in memoriam), Luis Marcelino Pereira (In Memoriam) e Asha Ram, pelos trabalhos de pesquisa desenvolvidos na CEPLAC sobre a Monilíase do cacaueiro. Atividades que foram desempenhadas com brilhantismo e lembradas com emoção na narrativa do Chefe do centro de Pesquisas e Extensão da CEPLAC, Raul René Valle e das pesquisadoras Karina Gramacho e Edna Dora Luz.

Em seguida tivemos as palestras: “Plano Nacional de Prevenção a Monilíase do Cacaueiro: Estado atual e Perspectivas Futuras” – Paulo Parizzi (DSV/DAS/Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento); “Monilíase do cacaueiro como prevenir”? – Karina Gramacho (CEPLAC) e “Melhoramento genético Preventivo”– Uilson Vanderlei Lopes (CEPLAC).

Na parte da tarde ocorreram as seguintes palestras: “Resistência a Monilíase e Vassoura-de-bruxa do cacaueiro podem ser complementares?”– Edna Dora M. Newman Luz (CEPLAC); “Controle biológico” – Givaldo Rocha Niella (CEPLAC), “Indução de resistência por leveduras nativas” – Antônio Pimenta Neto (CEPLAC); “Epidemiologia e Genômica” – Karina Gramacho (CEPLAC), “Proteômica e Transcriptômica de M. roreri” – Carlos Priminho (UESC) e “Monilíase do cacaueiro no Equador: uma retrospectiva” – Karina Solis Hidalgo (Iniap).

 

 

O Fórum foi finalizado no dia seguinte, 30, com a realização de uma mesa redonda e debates tendo como pauta “Ações de Defesa Fitossanitária”, a partir das palestras proferidas pelos técnicos: Antonio Zózimo Costa e Givaldo Rocha Niella (CEPLAC/MAPA); Suely Xavier de Brito, Alessandro Oliveira, Catarina Cotrim de Mattos e Clécio Luiz Teles (ADAB) e Enrique Arevalo Gardini (ICT-Peru).

Na opinião da engenheira agrônoma da ADAB/Itabuna, Catarina Cotrim de Matos, “Esse  Fórum veio fortalecer as relações  institucionais na questão da prevenção da Monilíase  no estado da Bahia  nessa parceria de muitos anos entre a ADAB e CEPLAC e servir de alerta para toda comunidade e agentes da cadeia produtiva do cacau”.

Satisfeita com os resultados alcançados, a pesquisadora e coordenadora do evento Karina Gramacho, agradeceu o apoio de todos e avaliou que o fórum atingiu os objetivos. “Conseguimos conscientizar sobre a prevenção da moniliase e mostrar as pesquisas realizadas há muitos anos pela CEPLAC, que já possui 12 projetos  e a ação da defesa fitossanitária  que é o trabalho da ADAB, com o monitoramento e com a comunicação  fitossanitária,  numa parceria bastante frutífera.

“Prevenir é o melhor remédio, por isso, a intenção é manter a Bahia e o Brasil livre da doença e desenvolver tecnologias caso a Monilíase venha a chegar aqui no país. Para isso foram divulgados um filme e entregues a cartilha e o protocolo de biossegurança que conscientiza tanto o agricultor como o viajante”, ressaltou a pesquisadora, que concluiu, informando que também foram realizados um curso de nivelamento com os extensionistas da CEPLAC com a intenção de prepará-los para essa interatividade com os produtores.  

Lançamento do protocolo de biossegurança e cartilha - Como forma de desdobramento do trabalho de priorização, no sentido de enfatizar as medidas necessárias à prevenção da Monilíase, a CEPLAC e ADAB elaboraram e promoveram durante o evento o lançamento do Protocolo de Biossegurança Doméstica e uma Cartilha sobre a Monilíase do cacaueiro, praga quarentenária que ameaça a cacauicultura brasileira. O material foi distribuído aos participantes e já se encontra disponibilizado no site da CEPLAC.

A coordenadora do evento, Karina Gramacho, explicou que a definição dos critérios para estabelecimento do protocolo de biossegurança e da cartilha é fruto de várias reuniões técnicas ocorridas nos últimos cinco anos. “O protocolo se aplica principalmente ao viajante. Já a cartilha é um livro didático dedicado principalmente ao agricultor. Mas, é imprescindível a todos, o conhecimento e a compreensão das ações de prevenção de forma a seguir suas recomendações e contribuir com a implantação de boas práticas de biossegurança que é um conjunto de procedimentos, ações, capazes de eliminar ou minimizar riscos de entrada da praga”.  

Acesse a Cartilha aqui.

 

Jornalista: José Carlos Peixoto 

Reportagens – José Hamilton

Fotos: Águido Ferreira

Assessoria de Comunicação da Ceplac
Wednesday, 11/1/2017