Buscar no site:
Audiência pública na Assembleia Legislativa debate situação da CEPLAC

A situação da CEPLAC/MAPA foi o principal assunto da audiência pública realizada pela Assembleia Legislativa, no último dia 6, na capital do estado. A redução orçamentária que causou prejuízos as atividades dos setores de pesquisa e extensão, além da não realização de concurso público há 30 anos, estão entre os principais problemas apontados pelos participantes: produtores, estudantes, servidores e dirigentes da CEPLAC/MAPA.

Compondo a mesa, além dos deputados Augusto Castro e Marcelino Galo (Coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista da Bahia e propositor da audiência), participaram também: Antonio Zugaib (Superintendente da CEPLAC/MAPA para BA e ES, Antonio Fernando Ribeiro (representante da Comissão de Revitalização da CEPLAC (CRC) e Washington Farias (representante do Conselho de Entidades dos Servidores da CEPLAC).

O superintendente da CEPLAC, Antonio Zugaib, explicou que essa perda de autonomia administrativa e financeira traz uma série de entraves e conseqüências ao funcionamento do órgão, que tem 49 escritórios em oito territórios no estado. “Tenho 34 anos de trabalho na instituição e fico muito triste quando tudo isso acontece, porque a CEPLAC é a principal empresa da Região Cacaueira. Se ela sucumbir, a região sul da Bahia vai sucumbir junto também”,

Já o agrônomo extensionista Antônio Fernando Ribeiro, que representou a Comissão de Revitalização da Ceplac (CRC) na discussão, defendeu uma proposta de revitalização e soerguimento institucional a partir da recomposição orçamentária do órgão, concurso para contratação de novos funcionários e a criação de um modelo integrado de funcionamento. “Lamentamos o estado de desatenção que o governo brasileiro tem dispensado à instituição CEPLAC. Por isso, apresentamos essa proposta porque queremos o fortalecimento da instituição que é importante para o desenvolvimento regional e para a agropecuária no Brasil”, destacou.

O deputado Augusto Castro propôs também um debate na Comissão de Agricultura da Câmara Federal e uma pressão politica junto com a bancada baiana de deputados e senadores nos Ministérios do Planejamento e da Agricultura. "Temos que pensar em toda cadeia produtiva envolvida nos trabalhos da CEPLAC. Abrir linha de crédito para os produtores se restabelecerem e incentivar a pesquisa científica".  

Na opinião do deputado Marcelino Galo, a CEPLAC tem sido tratada de forma desrespeitosa por quem não compreende o papel desenvolvido pelo órgão na assistência, na pesquisa, no desenvolvimento regional e na proteção da biodiversidade do bioma Mata Atlântica, que engloba a maior parte do território Litoral sul da Bahia.

“Essa audiência pública abre as portas da Assembleia Legislativa no sentido da gente incorporar essa pauta e ver os caminhos que vamos tomar, juntos, de forma democrática, para fortalecer essa luta para além das questões partidárias, para além das disputas políticas, porque é uma questão estruturante para o desenvolvimento. Temos que discutir, apresentar propostas e encontrar soluções”, acrescentou o parlamentar.

Superintendência da CEPLAC/MAPA-BA 

Assessoria de Comunicação da Ceplac
Wednesday, 4/12/2017