SISTEMAS AGROFLORESTAIS ALTERNATIVOS PARA O PLANTIO DA SERINGUEIRA, CACAUEIRO E CULTURAS TEMPORÁRIAS


O sudeste baiano oferece condições altamente favoráveis para a expansão do agronegócio borracha e com a vantagem de não causar qualquer tipo de pressão sobre os remanescentes da Mata Atlântica, dado o fato de não haver necessidade de incorporação de novas áreas ao processo produtivo. A idéia básica é fomentar o plantio da seringueira em sistema consorciado com o cacaueiro; isto porque, nos últimos anos, o desenvolvimento de sistemas agroflorestais (SAFs) tem sido bastante encorajado e cada vez mais incorporado aos processos de produção como uma forma de praticar uma agricultura ambientalmente correta, mais produtiva e sustentável.

Dentro deste contexto, arranjos de plantio vêm sendo desenvolvidos na CEPLAC para o plantio simultâneo de ambas as culturas e, em especial, para a substituição do sombreamento permanente (eritrinas) por seringueiras. Em qualquer das situações, propõem-se alternativas de espaçamentos em que a densidade de plantas pode variar conforme a topografia do terreno e o tamanho da área.

Variedades clonais de seringueira para sombreamento de cacaueiros

É muito importante que seja feita a escolha correta de variedades clonais de seringueira, pois estas serão determinantes para o sucesso do SAF. O SIAL 893 constitui-se numa excelente opção, por apresentar uma arquitetura de copa com ramificações laterais mais fechadas e com baixa densidade foliar, o que proporciona um sombreamento de melhor qualidade para o cacaueiro e permite o plantio em espaçamentos mais adensados. E, além desse, há também dois outros clones que estão para ser lançados (SIALs 839 e 1005) que apresentam características similares. Ressalta-se, ainda, que todos estes clones têm demonstrado superioridade aos anteriormente plantados em relação a produção e resistência às principais enfermidades foliares.

Possibilidades de estabelecimento de SAFs com cacaueiros e seringueiras

A seringueira é uma espécie arbórea que, em algumas situações pode atingir até 20 metros de altura, normalmente é plantada em espaçamentos maiores e demora de sete a oito anos para entrar em produção. Tudo isso evidencia a necessidade da adoção de estratégias que venham promover um melhor uso da terra. Para tanto, alguns arranjos de plantio estão sendo recomendados pela CEPLAC para o estabelecimento das SAFs, cujos detalhes serão apresentados a seguir:

a) Introdução de cacaueiros híbridos sob seringais adultos - Este sistema pioneiro originou-se por iniciativa dos próprios produtores baianos, que decidiram introduzir cacaueiros sob o dossel de seringais decadentes. O reduzido estande de seringueiras por área favoreceu o desenvolvimento dos cacaueiros, dada a maior penetração de luz. Atualmente, esta prática tem-se tornado bastante comum entre os heveicultores da região sudeste baiana e estima-se que aproximadamente 8.000 hectares estejam em sistema consorciado com o cacaueiro. No entanto, muitos seringais foram originalmente estabelecidos no espaçamento de 7,0 m x 3,0 m o que não se adequam para o consórcio, especialmente se o estande de plantas tiverem próximo ao do original (476 plantas/ha). Além do mais, se foram formados por clones com copa mais densa e com ramificações laterais bastante desenvolvidas, proporcionando um sombreamento excessivo para os cacaueiros.

b) Plantio simultâneo da seringueira e cacaueiro em renques duplos – O plantio dos cacaueiros e das seringueiras deverá ser feito simultaneamente e em faixas alternadas, com variadas opções de espaçamento entre plantas dentro das faixas ocupadas por cacaueiros ou por seringueiras. O arranjo de espaçamento a ser adotado para ambas as culturas depende daquela que se quer privilegiar, conforme indicado na tabela 1.

Tabela 1 - Dispositivo de plantio da seringueira em renques duplos e do cacaueiro em filas quádruplas e quíntuplas.

 

Espaçamento Seringueira

Densidade (plantas/ha)

Espaçamento Cacaueiro

Densidade (plantas/ha)

a) Previlegiando a seringueira

13,0 m x 3,0 m x 2,5 m

500

3,0 m x 3,0 m

784

14,0 m x 3,0 m x 2,5 m

470

3,0 m x 2,5 m

941

b) Previlegiando o cacaueiro

13,0 m x 3,0 m x 3,0 m

417

2,0 m x 3,0 m

1042

14,0 m x 3,0 m x 3,0 m

392

3,0 m x 2,0 m

1176


O custo inicial de implantação é relativamente alto e, por isso, a intercalação com outras culturas de ciclos curto ou semi-perene é recomendável especialmente para pequenos agricultores. Estas gerarão receitas adicionais que poderão ajudar na amortização dos custos de manutenção das culturas principais, nos primeiros três anos. Espécies, como exemplo, milho, mandioca, mamão, banana da prata e da terra, abacaxi, feijão, andu, entre outras, são perfeitamente adequadas para esse tipo de sistema. A maioria delas também proverá um sombreamento provisório bastante adequado aos cacaueiros, além de manter a área livre de plantas invasoras, eliminando a concorrência. No entanto, é bom salientar que a adoção de culturas secundárias depende da experiência do produtor e do mercado para sua comercialização.

Uma unidade demonstrativa usando este modelo encontra-se estabelecida desde 1999 no Centro de Pesquisas do Cacau (CEPEC/CEPLAC) e tem servido como instrumento de difusão e orientação para extensionistas e produtores que têm interesse em adotar esse sistema de cultivo. Este sistema de plantio, inclusive já vem sendo explorado comercialmente por produtores e empresas privadas da região, a exemplo da Fazenda Porto Seguro do grupo Agrícola Cantagalo e das Fazendas Reunidas São George, apoiada pelo grupo Almirante Cacau. Nessas últimas áreas, inúmeras combinações enxerto x porta-enxerto de cacaueiros serão avaliadas e o plantio está sendo realizado em solos com diferentes topografias, porém bastantes representativos da região cacaueira baiana. Até mesmo os solos hidromórficos com pouca opção de cultivo estão sendo considerados. Uma vez que as seringueiras com maior capacidade de absorção de água, podem funcionar como uma bomba d’agua, melhorando as condições gerais de cultivo para os cacaueiros, podendo se constituir numa solução para o aproveitamento deste tipo de solos.

c) Substituição das eritrinas por seringueiras - Grande parte dos cacauais baianos, em torno de 200 mil hectares (CENEX/CEPLAC), são sombreados com eritrinas. A substituição dessas eritrinas por seringueira, espécie de alto valor econômico, está sendo encorajada diante das perspectivas promissoras do mercado mundial da borracha, além das informações tecnológicas que a CEPLAC dispõe sobre o cultivo. É importante ainda ressaltar que a eliminação das eritrinas não causará qualquer impacto ao meio ambiente, por ser uma espécie exótica ao ecossistema cacaueiro e de baixo valor econômico.

Preferencialmente, a substituição deve ser feita em áreas onde há irregularidades no sombreamento e de maneira a causar os menores danos possíveis aos cacaueiros remanescentes, quer seja em lavouras já renovadas ou em processo de renovação e também em lavouras altamente atacadas por vassoura-de-bruxa.

No primeiro caso, a eliminação das eritrinas ou outras espécies afins deve ser feita gradativamente, fazendo-se primeiramente a retirada dos galhos laterais mais grossos. Deve-se ter sempre o cuidado em manter o equilíbrio da planta para evitar danos maiores pelo seu tombamento, deixando-se ao final, a planta com apenas o fuste principal. Dependendo do fim a que se pretenda dar ao fuste, este poderá ser derrubado manual ou quimicamente.

No segundo caso, as eritrinas poderão ser derrubadas, sem os cuidados mencionados anteriormente, direcionando o tombamento das mesmas para os locais da área com maior falha de cacaueiros. Em ambas as situações a madeira deve ser aproveitada pelo mercado regional na fabricação de caixotes para mamão e hortaliças, caixão de defunto, forro entre outros usos, amortizando com isso os custos da sua substituição.

Tabela 2 – Simulação do custo adicional da renovação de 1,0 ha de cacaueiros com a substituição das eritrinas por seringueiras.
 

Estande da seringueira

Plantas/ha

Seringueira *

R$

Cacau**

R$

Custo Adicional da Substituição%

222

1.147,50

4.666,18

19,7

 

 

 

 

267

1.241,90

4.666,18

21,0

 

 

 

 

333

1.314,50

4.666,18

22,0

 

 

 

 

444

1.436,60

4.666,18

23,5

* custo da implantação das seringueiras mais a retirada das eritrinas.
** custo da renovação de cacaueiros considerando-se um estande de 600 plantas/ha


É importante ressaltar que na implantação deste sistema misto continuo, apenas os custos advindos do plantio das seringueiras e remoção das eritrinas serão acrescidos. E estes sofrerão variações em decorrência do espaçamento e do tipo de muda a serem utilizadas (Tabela 2).


A densidade populacional da seringueira poderá variar de 222 a 444 plantas por hectare e a mesma será estabelecida nas entrelinhas dos cacaueiros remanescentes (Tabela. 3). A opção por um ou outro espaçamento deve ser feita pelo produtor de acordo com a disponibilidade dos recursos financeiros, topografia da área, idade e densidade do cacaual, etc. Por outro lado, os custos de manutenção não sofrerão muita alteração, uma vez que os tratos culturais comumente dispensados aos cacaueiros atenderão de maneira indireta e satisfatoriamente às exigências das seringueiras.

Tabela 3 - Dispositivo de plantio da seringueira em linhas simples e renques duplos
 

Espaçamento da seringueira

 

Plantas/hectare

Espaçamento da seringueira

 

Plantas/hectare

9,0 m x 2,5 m

444

9,0 m x 3,0 m

370

12,0 m x 2,5 m

333

12,0 m x 3,0 m

277

15,0 m x 2,5 m

267

15,0 m x 3,0 m

222

15 m x 3,0 m x 2,5 m*

444

15 m x 3,0 m x 3,0 m*

370

*Apenas neste espaçamento em linhas duplas há redução do estande de cacaueiros para 780 plantas/ha, nos demais será mantida a mesma densidade de 1111 plantas/ha.

Considerações finais

O Estado da Bahia poderá voltar a ocupar uma posição de destaque mundial na produção de borracha e cacau, com a ampliação da área plantada com seringueiras, em sobreposição às áreas de cacau, que geralmente estão estabelecidas em solos de alta fertilidade. Se por exemplo 40% das áreas de cacau formadas pelo processo de derruba total forem consorciadas, isto irá representar em uma expansão de 80 mil hectares de seringueiras, a um custo extremamente reduzido, ou seja, no máximo até 30% a mais do custo da implantação da lavoura do cacau solteiro. A produtividade desses seringais será certamente superior à dos seringais solteiros estabelecidos em solos de menor fertilidade, visto que estarão sendo utilizados clones de alta produção e com maior resistência às principais doenças. O mesmo acontecerá com os cacaueiros que terão também as condições gerais de cultivo melhoradas.

A adoção desses sistemas irá garantir maiores oportunidades de emprego e renda, devido ao maior uso de mão-de-obra nas diferentes fases de desenvolvimento e com conseqüente fixação do homem no campo, proporcionando melhorias nas condições gerais de vida à comunidade local. Além do mais, estaremos explorando o potencial de seqüestro de carbono atmosférico das duas culturas, pois se têm registros de que as seringueiras retiram quantidades de CO2 idênticas às essências florestais, inserindo-se perfeitamente dentro do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL).
 

José Raimundo Bonadie Marques
Wilson Reis Monteiro
Uilson Vanderlei Lopes

CEPLAC/Centro de Pesquisas do Cacau (CEPEC). Caixa Postal 07, 45.600-970, Itabuna, Bahia, Brasil. Fone e Fax: (73) 3214-3262, 3214-3204, e-mail: bonadie@cepec.gov.br