Noz Moscada

É uma especiaria proveniente da espécie Myristica fragans, a moscadeira, pertencente à família das Myristicaceae. Planta de porte alto, atingindo de 10 a 15 metros de altura, com várias ramas dispostas ao longo do tronco principal. Os principais países produtores são: Indonésia, Índia, Nova Guiné, Ceilão, Zanzibar, Trinidad, Tailândia. Já os principais compradores são: Inglaterra, França, Canana, Estados Unidos. Japão, China e Austrália.

Na região Sul da Bahia, a cultura ainda é pouca explorada, apesar das amplas possibilidades de ampliação do seu cultivo, tendo em vista a excelente adaptação da planta às nossas condições de clima e de solo.

Macis é a membrana laranja-avermelhada que cobre a casca da noz-moscada, dentro do fruto da árvore que é originária das Ilhas Molucas, na Indonésia. Muito usada na Índia, foi introduzida no ocidente pelos árabes, logo se tornando - junto com a noz-moscada - uma das especiarias mais caras e procuradas. Seu sabor é semelhante ao da noz-moscada (lembrando uma mistura de pimenta-do-reino com canela), porém mais sutil e aromático; por ser levemente adstringente, se sai melhor em pratos salgados. É bastante versátil na cozinha, servindo a pratos doces e salgados: desde biscoitos, tortas, pudins e bolos, até carnes e aves. A noz-moscada possui cerca de 10% de óleo essencial, composto principalmente por hidrocarbonetos. Pode possuir propriedades alucinógenas em altas dosagens (porções acima da metade de uma semente).

Este trabalho tem como objetivo despertar o interesse pelo cultivo da Moscadeira, fornecendo informações básicas aos interessados pelo o cultivo, bem como contribuir para sua expansão e exploração comercial.

Botânica

Ë uma planta dióica, portanto com sexos separados, plantas com flores femininas e plantas com flores masculinas. Vale ressaltar, que o caráter dióico se manifesta em uma proporção de 50% para cada sexo. A polinização é cruzada (masculinas x femininas) requer em média 10% de plantas masculinas, para fecundar as flores femininas.
As flores femininas dispostas na inflorescência com uma ou três flores; possuem um ovário superior (estigma) que recebe os grãos de pólen das flores femininas, trazidos por ventos e insetos, promovendo a fecundação. As flores masculinas, dispostas em inflorescência com uma ou três flores; possuem um receptáculo em forma de coluna, onde ficam ligadas às anteras com os grãos de pólen.

Clima e Solos

Planta adaptada ao clima quente e úmido, com temperatura média anual de 25· C, precipitação pluviométrica de 1.500 a 3.000 ao ano, com chuvas bem distribuídas, sem período de estiagem prolongado. Prefere as baixas altitudes, inferiores a 500 metros. Os solos mais recomendados devem ter um bom teor de matéria orgânica, profundos e bem drenados.

Formação de mudas e plantio

A propagação se faz geralmente por sementes, devendo-se escolher as maiores e mais pesadas, sem manchas e deformações ou outro qualquer defeito, provenientes de plantas matrizes sadias vigorosas e produtivas. As sementes devem se semeadas em canteiros separadas umas das outras cerca de 3 a 5 cm em posição horizontal, regadas diariamente com exposição de luz de em média de 50%. A germinação ocorre entre 30 a 40 dias após a semeadura e o índice de germinação é cerca de 50%. Quando as mudinhas alcançam 5cm de altura, faz-se a repicagem das mesmas para sacos de polietileno com capacidade para 2 a 3 kg de terra rica em matéria orgânica, permanecendo no viveiro por cerca de 12 meses. As mudas devem receber tratos culturais adequados durante este período, alcançando 20 a 30 cm de altura e com 3 pares de folhas e caule com 1 cm de diâmetro, ou seja o ponto ideal para o plantio. As mudas são plantadas em covas com as dimensões de 0,40m em todas as direções no espaçamento de 8 x 8m, proporcionando uma densidade de 156 plantas por hectare. O plantio no Sul da Bahia é realizado entre os meses de maio a agosto, sob boas condições de sombreamento provisório com bananeira.

Tratos culturais

Os cuidados com o cultivo se limitam a 4 limpas anuais a fim de evitar a concorrência com o mato. Realizar desbaste de bananeira a fim de eliminar o excesso de sombreamento, quando necessário.

Pragas: as pragas mais comuns são os insetos sugadores, a exemplo de tripes, todavia sem causar danos econômicos significativos.

Doenças: Há registro da enfermidade, vulgarmente conhecida como, Mal Rosado provocada pelo fungo Corticium salmonicolor , cujo controle é feito cortando o galho infectado de 20 a 30 cm do ponto de infecção. Em seguida pulveriza com fungicida à base de cobre a 5%. Os galhos doentes eliminados devem ser queimados fora da área da cultura.

Comercialização

A Noz Moscada é largamente comercializada, principalmente na Europa como condimento na indústria frigorífica, na indústria farmacêutica, na perfumaria e tabacaria. Anualmente se comercializa com os países da Europa e Oriente Médio, cerca de 10 mil toneladas no valor de 30 milhões de dólares, o que atende apenas a 50% das necessidades do mercado mundial.

Composição:

Sua composição química é bastante variável, em média contém: 9.0% de água; 96.5% de compostos nitrogenados; 33% de gorduras; 4.5% óleos essenciais; 27 % de amido; 14.5%de extratos não nitrogenados; 3% de celulose e 2,5% de cinzas. O óleo essencial tem na sua composição a “miristicina” ( C13 H12O3 ) que atua como narcótico e é tóxica se ingerida em grandes quantidades.

Colheita

A Moscadeira nas condições da região Sul da Bahia, inicia a produção aos 4 anos, superando os países de origem, onde as primeiras frutificações ocorrem aos 6 anos. Os frutos são deiscentes (se abrem quando maduros) e medem de 5 a 8 cm de diâmetro. Quando maduros, apresentam coloração amarelo-claro e se racham em duas partes, colocando à mostra as sementes. As sementes de forma oval, medem de 3 a 4 cm de comprimento por 2 a 3 de largura, tegumento lenhoso e duro, marrom brilhante escuro, envolvido por uma membrana de cor roxo – avermelhado, que é o arilo ou macis. Rompendo a casca dura das sementes, encontra-se a amêndoa Noz Moscada.

Apenas as plantas dotadas de flores femininas produzem frutos, porém é necessário manter no plantio o percentual de 10 a 20% de plantas masculinas para que ocorra uma boa fecundação. A maturação dos frutos ocorre com 170 a 180 dias após a fecundação, com os frutos de coloração amarela pálida. O rendimento varia com a idade da planta, vigor e estado fitossanitário da planta. Uma boa produção é estimada em 1.500 a 2.000 frutos por ano, o que corresponde 10 a 15 kg de sementes frescas, e 3 a 4 kg de macis. Após a secagem resulta em 5 a 7 kg de noz moscada e 1,5 a 2 kg de arilo. A concentração da produção é entre os meses de abril a setembro.

Beneficiamento

Após a colheita os frutos são conduzidos para galpões, onde são abertos para retirada das sementes. Separa-se o arilo das sementes, colocando as mesmas a secar por um período de 10 a 15 dias. As sementes passam por um período de três semanas para secarem, e quando secam, chocalham ao se agita-las. Durante a secagem, tanto o arilo quanto a semente deve ser revolvido de hora em hora, a fim de uniformizar o processo de secagem.

Faz-se então a extração da noz, golpeando-se a ponta da semente seca com um pequeno pedaço de madeira, com cuidado para não esmagar a noz. Após o beneficiamento as nozes são armazenadas em vasilhames apropriados: caixas ou sacos plásticos, fechados e armazenados em local ventilado e seco.

 

Gilberto de Andrade Fraife Filho - Eng. Agrônomo MSc Fitotecnia

João Bosco Oliveira Marcelino - Agente de Atividades Agropecuária