International Cocoa Research Conference, Accra, Ghana, 2003

INFLUÊNCIA DO PACLOBUTRAZOL E DO ANELAMENTO APLICADOS EM DIFERENTES ESTÁDIOS FENOLÓGICOS DO CACAUEIRO NO CONTROLE DA FLORAÇÃO E DO FLUXO FOLIAR



RESUMO
O uso do anelamento e de paclobutrazol tem possibilitado o controle dos processos de crescimento vegetativo e reprodutivo do cacaueiro. Identificar o estádio fenológico da planta que melhor responda a estes métodos, promovendo maior assincronia entre as épocas de liberação dos esporos do Crinipellis perniciosa e a emissão de tecidos susceptíveis, resultará em menores níveis de infecção e maiores possibilidades de controle da vassoura-de-bruxa. A mudança da época de emissão de folhas, flores e o conseqüente deslocamento da produção para um período menos propício à enfermidade, possibilitará uma alternativa de escape à doença no Recôncavo da Bahia. O experimento foi conduzido na Estação Experimental da CEPLAC, localizada no Recôncavo da Bahia, coordenadas, 12° 30’ Sul e 38° 29’ Oeste. Constituído por doze ensaios repetidos mensalmente de maio de 2001 a abril de 2002, instalados em cacaueiros da cultivar “Catongo” com 22 anos de idade, no espaçamento 3x3m, apresentando bom desenvolvimento vegetativo e produtividade média anual 675 kg/ha. As unidades experimentais de cada ensaio foram distribuídas em cinco blocos com quatro parcelas. Cada unidade, formada por uma planta, recebeu aleatoriamente os seguintes tratamentos: paclobutrazol injetado no tronco a 0,4 g.i.a./planta (PBZ-I); paclobutrazol aplicado no solo a 1,5 g.i.a./planta (PBZ-S); anelamento do tronco de 1,5 mm e; o controle. Independentemente da época de aplicação, todos os tratamentos reduziram o crescimento vegetativo, sendo o PBZ-S mais eficiente, seguido do anelamento e PBZ-I. Resultados indicam setembro e maio como as melhores épocas para realização do anelamento, com reduções de 38% e 32% em relação ao controle. Agosto, outubro e maio, foram os melhores períodos para aplicação de PBZ-S, reduzindo em 48%, 39% e 28%, respectivamente, o número total de folhas emitidas. Considerando-se a floração total anual, com exceção do PBZ-I, todos os tratamentos induziram incrementos nos diferentes períodos de aplicação, sendo o anelamento da planta o mais eficiente seguido do PBZ-S. Para o anelamento, a aplicação no período de repouso vegetativo da planta (junho a setembro e março) mostrou ser mais eficiente no aumento da floração, com incrementos de 100% a 370% em relação às plantas controle. Os tratamentos induziram a antecipação e/ou a ampliação do período de floração em até sete semanas.

Termos para indexação: Crescimento vegetativo, floração, paclobutrazol,
anelamento.

INTRODUÇÃO
A vassoura-de-bruxa, causada pelo fungo Crinipellis perniciosa (Stahel) Singer, é considerada a mais devastadora das doenças do cacaueiro. Originária e de ocorrência generalizada na região Amazônica (Baker & Hollyday, l957), de onde se disseminou para os demais países produtores de cacau da América do Sul e Central (Bastos, 1990). Representa um dos principais problemas fitossanitários do cacaueiro e limitante da produção. As estimativas de perdas anuais têm sido da ordem de 40% (Medeiros, 1974), entretanto, encontrando condições favoráveis de umidade e temperatura o patógeno pode destruir mais de 90% dos frutos (CEPLAC, 1993). Em áreas onde o controle é realizado segundo as recomendações técnicas, pode-se manter um nível de perdas entre 5 a 10% da produção (Almeida & Andebrhan, 1989).


A eficiência das práticas culturais, recomendadas para o controle da vassoura-de-bruxa, depende principalmente do nível de infecção e altura das plantas, sendo o seu custo bastante oneroso (Bastos, 1989). Por outro lado, o controle químico, através da aplicação de fungicidas, é muito difícil, uma vez que os basidiósporos de C. perniciosa infectam tecidos meristemáticos, almofadas florais e frutos imaturos, sendo praticamente impossível se manter uma cobertura adequada de produto, de modo a assegurar uma proteção efetiva contra a infecção (Bastos, 1989; Lawrence et al., 1991). Certa eficácia no controle da enfermidade, entretanto, tem sido obtida através do controle biológico, utilizando o fungo Trichoderma stromaticum (Luz et al., 1997), com a utilização de alguns fungicidas sistêmicos (Bastos, 1989) e com o uso de clones resistentes à doença (Sena-Gomes et al., 1999).


Na maioria das vezes, as condições que propiciam a formação de basidiocarpos e liberação de basidiósporos são as mesmas que estimulam os processos de desenvolvimento do cacaueiro. Desta forma o estudo dos mecanismos fisiológicos e dos fatores ambientais que induzem o aparecimento de tecidos susceptíveis, bem como a possibilidade do controle destes mecanismos através de manejo e utilização de bio-reguladores, poderá ser uma importante ferramenta no combate à doença (Müller et al.2000, Müller et al., 2001; Lima, 2001; Lima et al., 2002).


O trabalho tem como objetivo determinar o período mais apropriado para a aplicação de paclobutrazol e do anelamento visando deslocar as épocas normais de emissão de folhas e flores.

MATERIAL E MÉTODOS
Os ensaios foram conduzidos na Estação Experimental Sósthenes de Miranda (ESOMI), localizada no município de São Sebastião do Passe, no Recôncavo da Bahia. O clima, segundo a classificação de Köppen, é do tipo Af, com precipitação média anual em torno de 1600 mm e distribuição irregular, ocorrendo cerca de 66% desse total em seis meses (março a julho e em novembro) e os 34% restante nos meses de agosto a outubro e dezembro a fevereiro (Pinho et al., 1992).


O experimento foi constituído por doze ensaios repetidos mensalmente (de maio de 2001 a abril de 2002) em cacaueiros da cultivar “Catongo” com 22 anos de idade, plantados no espaçamento 3x3m, apresentando bom desenvolvimento vegetativo e produtividade média anual em torno de 675 kg/ha. As 20 unidades experimentais de cada ensaio foram distribuídas em cinco blocos com quatro parcelas. Cada unidade recebeu aleatoriamente o tratamento sorteado por bloco e foi formada por uma planta.


Os seguintes tratamentos foram aplicados na primeira semana de cada mês: a) Paclobutrazol injetado no tronco (PBZ-I) (0,4 g i.a./planta); b) Paclobutrazol regado no solo (PBZ-S) (1,5 g i.a./planta); c) Anelamento com serra (1,5 mm) e; d) Controle. Nos tratamentos com PBZ, o produto diluído em água foi aplicado de duas maneiras: 20 ml de solução contendo 0,4 g i.a. injetado diretamente no tronco da planta, utilizando-se de uma seringa apropriada (PBZ-I) e 2 litros de solução regados em volta do coleto de cada planta, contendo 1,5 g i.a (PBZ-S). A perfuração do tronco das árvores, para a fixação da seringa, foi feita com uma broca de aço rápido de ¼ de polegada. Para o anelamento do caule, utilizou-se uma serra de poda, retirando-se toda a casca em uma faixa de 1,5 mm de espessura a 20 cm do solo.


Os parâmetros avaliados foram fluxo foliar e floração. Para o fluxo foliar em cada planta, foram previamente marcados 5 ramos plagiotrópicos, localizados na parte periférica da copa e avaliados mediante contagem semanal das folhas novas emitidas. As folhas só foram contadas quando o comprimento do limbo era superior a dois centímetros. Antes de atingirem este tamanho são consideradas como “rebentos”. A floração foi controlada pela contagem semanal do número de flores emitidas em seções de 80 cm de comprimento. Foram marcadas 3 seções de ramos plagiotrópicos e 1 de ramo ortotrópico por planta.


Os dados foram transformados em log (x+1) e analisados através do SAEG, versão 5.0. A significância dos efeitos estudados foi verificada pelo teste F e a comparação das médias dos tratamentos, feita pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade.


RESULTADOS E DISCUSSÃO
Independentemente da época de aplicação, quase todos os tratamentos interferiram no crescimento vegetativo, com reduções de até 48% no número de folhas emitidas. Paclobutrazol aplicado no solo (PBZ-S) foi o mais eficiente, seguido do anelamento e paclobutrazol injetado no tronco (PBZ-I) (Quadro 1). Os resultados observados demonstram que, para o anelamento, a época fonológica com maior redução do fluxo foliar foi maio e setembro, com diminuição de 32% e 38% em relação ao controle apresentando, contudo, significância estatística somente maio. Para o uso de PBZ-S, agosto, outubro, abril, maio, dezembro e junho, foram os melhores períodos, com reduções significativas de 48%, 39%, 36%, 28%, 25% e 22% do número total de folhas emitidas. Os resultados obtidos com PBZ-I, mesmo reduzindo o número de lançamentos foliares, na maioria dos períodos testados, não foram suficientes para diferenciação estatística (Quadro1).


Deslocamentos nos períodos dos lançamentos foram observados, para todos os tratamentos, somente quando aplicados nos meses de dezembro (Fig.1), janeiro (Fig.2) e fevereiro de 2001, ocorrendo indução de novas folhas no mês de março de 2002 que, apesar de ser o período normal de lançamento foliar na região, as plantas controle apresentaram fraco crescimento vegetativo (Fig.1 e Fig. 2). O PBZ-I foi o tratamento que induziu a resultados mais expressivos, seguidos de PBZ-S e do anelamento do tronco. Esta alteração de período, mesmo que pequena, pode ser importante, pois no mês de março no Recôncavo baiano, a quantidade de basidiósporos é baixa e, conseqüentemente, a possibilidade de infecção destes lançamentos são menores.


Além do efeito quantitativo sobre a floração, ou seja, o aumento do número de flores lançadas no período (novembro a maio) considerado normal de floração do cacaueiro no Recôncavo baiano (Müller et al., 1988), também se observou antecipação e/ou a postergação do processo em até 10 semanas e, em alguns casos, a indução da floração em período atípico para a região (Fig.3 e Fig. 4).


Quadro 1. Total de folhas (cinco ramas/planta) e flores produzidas (quatro seções/planta) em cacaueiros da cultivar “catongo” submetidos ao anelamento (Anela.) e à aplicação de paclobutrazol no solo (PBZ-S) e injetado na planta (PBZ-I). Efeito percentual com referência ao controle e comparação entre as médias. Cada valor representa o total de cinco plantas em um período de 17 meses de observação. ESOMI - BA.

 

 

Fluxo Foliar

Floração

Época1
Tratamentos
Tratamentos

 

Cont.

Anela.

PBZ-S

PBZ-I

Cont.

Anela.

PBZ-S

PBZ-I

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MAI

0 a

-32 b

-28 b

-14 ab

0 b

034 ab

 103 a

00-2 b

JUN

0 a

0-0 ab

-22 b

 00 a

0 b

100 a

 127 a

 062 ab

JUL

0 a

-19 a

-19 a

-12 a

0 c

106 ab

 145 a

 022 bc

AGO

0 a

-19 a

-48 b

-20 a

0 c

265 a

 180 ab

 031 bc

SET

0 a

-38 a

-22 a

-26 a

0 c

301 a

 080 b

 084 b

OUT

0 a

-23 ab

-39 b

-21 ab

0 a

014 a

 050 a

0-10 a

NOV

0 a

-13 a

-19 a

0-7 a

0 a

043 a

 035 a

0-14 a

DEZ

0 a

-14 ab

-25 b

0-6 ab

0 a

064 a

 033 a

0-18 a

JAN

0 a

0-9 a

0-9 a

 17 a

0 a

000 a

0-21 a

00-8 a

FEV

0 a

0-5 a

 07 a

 18 a

0 b

260 a

 159 a

 145 a

MAR

0 a

-16 a

-11 a

 11 a

0 b

377 a

 232 a

 153 a

ABR

0 a

-24 ab

-36 b

-20 ab

0 b

038 b

 184 a

 059 b

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1. Referente ao mês de aplicação dos tratamentos.
Médias seguidas da mesma letra, na linha e por parâmetro, não diferem estatisticamente entre si pelo teste de Tukey (p <= 0,05).


A simples alteração na intensidade da floração, sem o deslocamento do seu período, pode não ter importância para o controle da vassoura-de-bruxa, contudo é de grande valia para garantir melhores índices na polinização das plantas por disponibilizar maiores quantidades de polens aos insetos polinizadores. No caso especial de áreas implantadas com a mistura de cacaueiros auto-incompatíveis (AI) com autocompatíveis (AC), o assunto assume maior importância, por disponibilizar quantidades extras de polens compatíveis para serem utilizados na polinização das plantas AI.

FIGURA 1. Número de folhas emitidas semanalmente em cinco ramos por planta marcadas em cinco cacaueiros da cultivar catongo submetidos ao anelamento e ao paclobutrazol aplicado no solo (PBZ-S) e injetado na planta (PBZ-I), temperatura média do ar semanal e defice hídrico mensal. A seta em negrito indica o mês de aplicação dos tratamentos. ESOMI.

FIGURA 3 Número de flores produzidas semanalmente em quatro seções por planta marcadas em cinco cacaueiros da cultivar catongo submetidos ao anelamento e ao paclobutrazol aplicado no solo (PBZ-S) e injetado na planta (PBZ-I), temperatura média do ar semanal e defice hídrico mensal. A seta em negrito indica o mês de aplicação dos tratamentos. ESOMI.

FIGURA 4 Número de flores produzidas semanalmente em quatro seções por planta marcadas em cinco cacaueiros da cultivar catongo submetidos ao anelamento e ao paclobutrazol aplicado no solo (PBZ-S) e injetado na planta (PBZ-I), temperatura média do ar semanal e defice hídrico mensal. A seta em negrito indica o mês de aplicação dos tratamentos. ESOMI.

CONCLUSÕES
Com os resultados obtidos neste trabalho conclui-se que:
a) a alteração quantitativa do fluxo foliar e da floração (número de folhas e flores emitidas) foi conseguida tanto com o anelamento como com o paclobutrazol sendo, contudo, mais evidente a redução do número de folhas com o paclobutrazol aplicado no solo e do aumento da floração com o anelamento das plantas;

b) o paclobutrazol e o anelamento induziram a emissão de folhas (aplicação em dezembro e janeiro) e flores (aplicação em fevereiro e março) em períodos que sob condições normais não ocorrem, contudo, tanto a floração como o fluxo foliar persistiram nos períodos normais, ou seja, houve a indução de lançamentos extras e não a mudança das épocas normais de lançamento.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, L. C. de, ANDEBRHAN, T.(1989). Recuperação de plantações de cacau com alta incidência de vassoura-de-bruxa na Amazônia brasileira. Agrotrópica, Ilhéus, v. 1, n. 2, p. 133-136, maio/ago.

BAKER, R. E. D., HOLLIDAY, P. (1957). Witches’ broom disease of cacao (Marasmius perniciosus Stahel). Kew: Commonwealth Mycological Institute, 1957. 42 p. (CMI. Phytopathological paper, 2).

BASTOS, C. N. (1989). Avaliação de fungicidas sistêmicos no controle da vassoura-de-bruxa do cacaueiro. Agrotrópica, Ilhéus, v. 1, n. 2, p. 128-132, maio/ago.

____________. (1990). Epifitiologia, hospedeiros e controle da vassoura-de-bruxa (Crinipellis perniciosa (Stahel) Singer). Ilhéus: CEPLAC/CEPEC, 21 p. (CEPLAC/CEPEC. Boletim técnico, 168).

CEPLAC. Vassoura-de-bruxa. Campinas: Fundação Cargill, 1993. 7 p.

LAWRENCE, J. S., CAMPÊLO, A. M. F. L., FIGUEREDO, J. M. (1991). Enfermidades do cacaueiro: 2, doenças fúngicas que ocorrem nas folhas, ramos e tronco. Agrotrópica, Ilhéus, v. 3, n. 1, p. 1-14, jan./abr.

LIMA, A. A. de. (2001). Controle do fluxo foliar, floração e frutificação do cacaueiro (Theobroma cacao L.) com o uso de anelamento e bio-reguladores. Cruz das Almas, 2001. 88 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Agrárias / Fitotecnia e Fruticultura Tropical) - Escola de Agronomia, Universidade Federal da Bahia.

LIMA, A. A. de, MÜLLER, M. W., ALVIM, P. de T.( 2002). Frutificação do cacaueiro sob efeito de técnicas de anelamento e estrangulamento, e uso de reguladores vegetais. Magistra, Cruz das Almas, BA, Universidade Federal da Bahia. Escola de Agronomia. v. 14, n. 02, p. 067-072, jul./dez.

LUZ, E. D. M. N. et al.(1997). Cacau (Theobroma cacao L.) controle de doenças. In: VALE, F. X. R., ZAMBOLIM, L. (Eds.). Controle de doenças de plantas: grandes culturas v. II. Viçosa: UFV, 656 p. p. 611-655.

MEDEIROS, A. G.. Pesquisas básicas sobre a vassoura-de-bruxa na Amazônia. Ilhéus: CEPLAC/CEPEC, 1974. 29 p.

MÜLLER, M. W., LIMA, A. A. de, ALVIM, P. de T.(2000). Controle do fluxo foliar e floração do cacaueiro (Theobroma cacao L.) com o uso de anelamento e bio-reguladores. In: CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE PESQUISAS EM CACAU, 13ª, 2000, Malásia. Proceedings Cocoa Producer’s Alliance, 2000. 1175 p. p. 389-398.

____________. (2001). Manipulação da floração e do fluxo foliar do cacaueiro (Theobroma cacao L.) com o uso de bio-reguladores e do anelamento para o controle da vassoura-de-bruxa. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FISIOLOGIA VEGETAL, 8, 2001, Ilhéus, BA. Anais... Ilhéus: SBFV, 2001. CD, Resumo Expandido.

MÜLLER, M. W., PINHO, A. F. S. e ALVIM, P. de T. (1988). Efeito da polinização manual sobre a produção e fenologia do cacaueiro. In: INTERNATIONAL COCOA RESEARCH CONFERENCE, 10th, Santo Domingo, Domenican Republic, 1987. Proceedings Cocoa Producers Alliance, pp. 271-281.

PINHO, A. F. S.; MÜLLER, M. W. ; ALMEIDA, H. A. e SANTANA, M. B. M.(1992). Característica da região cacaueira da Bahia. In: PINHO, A. F. S., MÜLLER, M. W., SANTANNA, M. B. M. (Eds.). Sistema de produção de cacau no Recôncavo da Bahia. Ilhéus: CEPLAC/CEPEC, 74 p. p. 11-18.

SENA-GOMES, A. R.; BATISTA, M. L. R.; CAMPÊLO, C. J. E. e AFONSO, C. A.(1999). Avaliação da poda a diferentes alturas em cacaueiros híbridos safreiros. In: CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE PESQUISAS EM CACAU, 12ª, 1996, Salvador, Bahia. Proceedings Cocoa Producer’s Alliance, 1175 p. p. 861-866.

 

 

 

M.W.Müller, A.A. de Lima e P. T. Alvim
Centro de Pesquisas do Cacau, 45.600-000, Itabuna, Bahia, Brasil