RAMBUTÃO

O rambutão é uma fruta de origem asiática cultivada comercialmente nos estados da Bahia e Pará. Na Bahia existem plantios comerciais nos municípios de Una, Ilhéus, Camamu e Ituberá. É uma árvore tropical que atinge 12m de altura, muito ornamental por sua beleza de folhagem, floração e frutificação. Produz um fruto ovóide medindo em média 5 a 6cm de comprimento e 2 a 4cm de largura. A casca apresenta coloração variando de vermelho a amarelo, sendo coberto com espículas lembrando o fruto da mamona. A floração ocorre nas extremidades dos galhos, produzindo cachos com 12 frutos em média. A polpa branca e doce é consumida na forma inatura e o seu sabor lembra a lichia e a uva. A região Sul da Bahia apresenta boas condições de clima e de solos para o seu cultivo de forma econômica.

Clima e Solo

O rambutão adapta-se bem ao clima quente e úmido com precipitações pluviométricas acima de 1.500 mm bem distribuídas durante a maioria dos meses do ano. Os solos mais adequados são os areno-argilosos, profundos, bem drenados, ricos em matéria orgânica e com pH entre 5,5 a 6,0.

Cultivares

A espécie apresenta grande variabilidade genética o que resulta numa grande variação na coloração dos frutos, tamanho e peso do fruto, número e tipo de flor, tamanho e forma da semente. Vários clones se encontram disponíveis no Brasil, entretanto há a necessidade de testar esses materiais nas diversas regiões de cultivo do rambutão, em função dos efeitos inevitáveis do ambiente. Os clones recomendados para plantios comerciais são R134, R156, R162, R167, R170, R191 e R193. As fotos abaixo revelam a grande variação na cor e tamanho dos frutos.

Propagação e Plantio

Em virtude da grande variabilidade genética apresentada pela espécie, não se recomenda a sua propagação através de semente. Tecnicamente é propagado de forma vegetativa através de enxertia, sendo o método de garfagem o mais utilizado. O espaçamento de 8 a 10m entre plantas e as covas devem ter as dimensões de 0.60 x 0.60 x 0.60m em todas as direções. Após a abertura das covas, utilizar matéria orgânica com fertilizante à base de fósforo antes do plantio. O rambutanzeiro não necessita de sombreamento inicial, portanto recomenda-se o consórcio com culturas de ciclo curto ou fruteiras perenes a fim de agregar valor econômico ao cultivo.

Tratos Culturais

A poda é imprescindível na obtenção de plantas baixas e copa compacta a fim de facilitar a colheita. A adubação deverá ser realizada mediante a análise do solo. Na região Sul da Bahia ainda não há registro da presença de pragas e doenças.

Colheita e Rendimento

Na região Sul da Bahia o período de floração tem duas épocas distintas: março a maio e agosto a outubro, razão pela qual a colheita ocorrer duas vezes, março a maio e agosto a outubro. As plantas propagadas de forma vegetativa entram em produção com três anos de plantio. Os frutos amadurecem com três a quatro meses após a floração. Normalmente da floração até a colheita dura em média de 15 a 18 semanas e a principal produção se concentra nos meses de julho a novembro. Uma variação de 4 a 6 semanas pode ocorrer nos períodos de colheita em virtude da localização do plantio e de circunstâncias climáticas. As frutas são colhidas quando a maioria apresenta o vermelho ou o amarelo. No primeiro ano de plantio o rendimento é em média de 1.200 kg, alcançando 15 toneladas com 10 anos de plantio.

A produtividade média dos plantios com mais de 10 anos de idade e tecnicamente bem conduzidos é em média de 15 toneladas por hectare.



José Basílio Vieira Leite - Engenheiro Agrônomo MSc Fitotecnia

Gilberto de Andrade Fraife Filho - Eng. Agrônomo MSc Fitotecnia
Perivaldo Mariano Santos - Engenheiro Agrônomo
 MSc Fitotecnia