SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO

O Brasil possui o maior rebanho bovino comercial do mundo, com cerca de 160 milhões de cabeça, sendo que deste efetivo, cerca de 34 milhões são de animais destinados à produção de leite (14, 7 milhões de vacas em lactação e secas), que, por ano, produzem cerca de 19 bilhões de litros, com uma média de 4,9 kg/vaca/dia, supondo uma lactação de 270 dias de duração (ANUALPEC, 1999/2001). Possuidor da maior área agricultável e do maior reservatório de água doce do mundo, o Brasil possui ainda topografia e condições edafo-climáticas variadas e excelente luminosidade, o que lhe confere condições favoráveis de produzir pasto e forragem conservada, permitindo o aumento do rebanho e de produção de leite de qualidade. Devido a essas riquezas naturais, que garantem alto potencial de crescimento da sua produção (5% ao ano, número que raríssimos países podem ostentar), o Brasil tem uma posição chave no cenário futuro da pecuária de leite mundial. Estudiosos mencionam que o Brasil, ao lado da Argentina, Nova Zelândia e sul da Austrália, serão as quatro maiores regiões produtoras de leite do planeta (TORTUGA, 2003). Nesse sentido, Benedetti (2002) reporta que um modelo de produção dando ênfase à utilização de forrageiras tropicais, somando à interação genótipo-ambiente do rebanho leiteiro, poder-se-ia contemplar uma média em torno de 10 kg de leite/vaca/dia, com qualidade e competitividade, gerando excedente para exportação, superior a qualquer país do mundo. Neste modelo, o principal objetivo é a redução de custos de produção aliado ao aumento da produtividade animal para aferir maiores margens de lucro, sendo que a pastagem fornece toda a alimentação volumosa durante o período chuvoso e para o período da seca são utilizadas diversas formas de suplementação, em nível de cocho, principalmente a cana-de-açúcar corrigida com uréia e silagens de capim elefante e milho.

Um sistema de produção de leite a pasto racionalmente conduzido torna a atividade leiteira competitiva, uma vez que eleva a disponibilidade de forragem e permite sua utilização de forma mais eficiente pelo rebanho leiteiro, visto que diversas pesquisas estimam que entre 50 a 80% das pastagens são perdidas pelos mais diversos fatores, principalmente, pelas características vegetativas das plantas tropicais, que apresentam crescimento rápido e amadurecimento precoce. Além disso, o alimento mais barato que se pode produzir para ofertar ao rebanho leiteiro é a pastagem manejada intensivamente, que apresenta um custo entre 2,0 a 5,2 vezes menores que outros alimentos, como podemos observar na Tabela 1:

Tabela 1: Custos de produção de diferentes alimentos volumosos usados nas fazendas leiteiras do Brasil.

Alimento Volumoso

Produção estimada

ton. MS/ha/ano

R$

t. MO

R$

t. MS

Pastagem intensiva

30

3,60

18,00

Cana + uréia

25

9,20

37,00

Silagem de capim elefante

40

11,00

40,00

Silagem de girassol

12

19,00

64,00

Silagem de sorgo

18

21,00

64,00

Silagem de milho

15

24,00

68,00

Fenos de gramíneas

17

80,00

94,00

Fonte: Aguiar e Almeida (1998)

A partir de diversos trabalhos de pesquisa publicados, observa-se que as condições ambientais brasileiras permitem a exploração de leite a pasto o ano inteiro, além de permitir a exploração de alto potencial de produção das plantas forrageiras quando manejadas corretamente, sendo que a utilização de pastagens tropicais manejadas intensivamente tem um potencial de fornecimento de nutrientes para produções próximas de 12 kg de leite/vaca/dia sem o uso de rações concentradas, o que resulta em um baixo custo de produção e faz com que as pastagens tornem-se um recurso natural que possibilita alta competitividade no uso da terra. Considerando que o potencial médio das pastagens tropicais seja de apenas 8 kg de leite/dia, observa-se que o manejo intensivo da pastagem pode aumentar em 50% a produção de leite/vaca. Entretanto, são vários os fatores que condicionam a produção de leite em uma pastagem. Dentre eles podem se destacar a aptidão leiteira da vaca, a qualidade do pasto, a disponibilidade de pasto (oferta de forragem), o rendimento forrageiro da pastagem (capacidade de suporte), o sistema de pastejo e a suplementação da pastagem.

Para Benedetti (2002), um programa de produção de leite a pasto deve permitir que os produtores de leite passem a utilizar, com máxima eficiência, os recursos disponíveis da fazenda. Para tanto, deve-se levar em consideração a distinção de dois fatores no processo produtivo: os vitais e os importantes. Os vitais são aqueles que serão contemplados com a máxima prioridade e compreendem:
· Locação e adequação de água de bebida;
· Sub divisão das pastagens;
· Manejo das pastagens ;
· Estratégias de reserva de alimentos para o período seco;
· Controle zoosanitário do rebanho;
· Registros e controles da atividade;
· Manejo do esterco;
· Sombreamento das pastagens.

Os fatores importantes compreendem tecnologias que devem ser implantadas na propriedade após a contemplação integral dos fatores vitais. São eles:
· Análise e correção do solo;
· Adubação de pastagens com adubos solúveis e orgânicos;
· Conservação do solo;
· Escolha de forrageiras;
· Melhoramento animal – interação genótipo:ambiente;
· Prática de irrigação em épocas estratégicas.

A água representa o principal alimento para o rebanho leiteiro e sua importância está diretamente relacionada com o aproveitamento da pastagem oferecida, visto que quanto maior for a distância entre a pastagem e o bebedouro, menor será o aproveitamento da forragem. Em pastos com áreas menores, onde a fonte de água fica mais próxima para os animais, é mais fácil se conseguir pastejo uniforme.

O desempenho de vacas leiteiras na pastagem é função da ingestão de forragem, do valor nutritivo da forrageira e do potencial genético do animal. Sob regime de pastejo, o consumo de forragem é afetado pela altura da forragem, pela relação folha-haste, pela densidade volumétrica da forragem, pela disponibilidade de pasto e pela ingestão de água.

Numa condição de sub pastejo tem-se uma máxima produção de leite por animal, entretanto a produção por área é menor, devido à sub utilização da área. Por outro lado, o super pastejo leva a uma situação inversa, pois há uma menor disponibilidade de forragem por animal, ocorrendo uma menor seleção do relvado, um menor consumo e conseqüentemente uma queda na produção por animal. A oferta de forragem deve variar ao longo do ano, procurando equilibrar a oferta e a demanda de nutrientes para o animal, e evitar períodos de super e subpastejos que comprometam a persistência e a qualidade da pastagem (ASSIS, 1997). Assim, para alcançarmos uma boa produção de leite/ha/ano torna-se necessário um eficiente aproveitamento da forragem produzida, principalmente durante as estações primavera/verão, onde as condições climáticas favorecem a produção máxima de matéria seca pela plantas forrageiras. Esta eficiência se torna mais fácil de ser conseguida, quando adotamos um sistema de pastejo adequado para a propriedade. Para Rodrigues & Reis (1997), um sistema de pastejo ideal é aquele que permite maximizar a produção animal sem afetar a persistência da planta forrageira e constitui uma combinação definida e integrada do animal, da planta, do solo e do clima. Basicamente, são utilizados dois sistemas de pastejo no Brasil: o de lotação contínua e o de lotação rotacionada.

O pastejo de lotação contínua se caracteriza pela utilização da pastagem sem descanso durante todo o ano, ou durante várias estações, podendo ser com um número de animais fixo ou variável ao longo do ano, de acordo com a disponibilidade de forragem. Deve ser utilizado quando a propriedade possui pastagens formadas por forrageiras de porte baixo, estoloníferas ou semi-prostradas, como a maioria das plantas Brachiaria spp (decumbens, humidicola, ruziziensis, etc) e Cynodon spp (grama estrela, coast cross, tifton 85, etc), e não são utilizadas de forma intensiva, ou seja, não exploram a máxima eficiência dessas forrageiras, e onde a capacidade de suporte não passa de 1,5 UA/ha. É importante lembrar que o controle da disponibilidade de forragem é imprescindível para que não haja ocorrência de sub ou super pastejo, prejudicando assim o desempenho da planta forrageira.

No pastejo de lotação rotacionada, a pastagem é subdividida em um número variável de piquetes, que são utilizados um após o outro, podendo ser também com carga fixa ou variável. É baseado no princípio de que um período de descanso favorece a produção de forragem, permitindo o desenvolvimento de raízes, perfilhos e reservas orgânicas. Neste sentido, Maraschin (1986) reporta que o pastejo de lotação rotacionada deve ser adotado para plantas que necessitam de um período de descanso para acumular e recuperar as reservas orgânicas, para permitir a regeneração da pastagem sem a interferência do animal e prevenir a eliminação das espécies que são mais aceita pelos animais. Assim, as gramíneas cespitosas de intenso perfilhamento e que apresentam precoce alongamento de caule e rápida elevação de meristema apical, como as forrageiras das espécies Panicum maximum (colonião, tanzânia, mombaça) e Pennisetum purpureum (capim elefante), são melhores adaptadas a este sistema. Além disso, este sistema é indicado para as propriedades que adotam a exploração intensiva da pastagem para produção de leite, de qualquer espécie forrageira, através da adoção de tecnologias como a correção e adubação dos solos e a utilização de irrigação da pastagem, permitindo que o nível de produção de forragem seja alto e, conseqüentemente, as taxas de lotação sejam superiores a 2,0 UA/ha, pois é possível controlar o nível de desfolha e evitar o consumo da rebrota que ocorre em poucas horas após a desfolha, impedindo a redução do vigor da rebrota. Normalmente, a adoção do sistema de pastejo de lotação rotacionada permite alcançar um aumento na lotação animal que varia de 25 a 100%, devido basicamente ao aumento da eficiência da colheita da forragem pelos animais e à uniformidade de pastejo (Aguiar, 2003). Para Benedetti (2002), este sistema de manejo de pastagens permite, além de um manejo mais fácil, uma maior oferta de matéria seca, uma menor seletividade animal, aumento da disponibilidade de folhas em relação às hastes, maior consumo de matéria seca, uma vez que a planta apresentando altura ideal e densidade de cobertura do solo, o animal se saciará mais rapidamente, diminuindo o tempo de ruminação, o que ocasiona menor gasto de energia do animal e aumenta a eficiência da alimentação, com maior produtividade.

A determinação da quantidade de forragem disponível em cada piquete no sistema de pastejo com lotação rotacionada, que define a capacidade de suporte da área, pode ser feita por dois métodos. O primeiro, chamado de direto, é realizado através da pesagem da forragem existente, com posteriores cálculos matemáticos, que define o número mais preciso de lotação da área. Normalmente é mais utilizado por médios e grandes produtores. No sistema indireto, por sua vez, esse cálculo é obtido apenas com a medição da altura do capim e a consulta a uma tabela (Tabela 2) que, conforme os dados apurados, indicam quantos e quando os animais devem entrar e sair de determinado piquete, a fim de que façam um bom proveito e não prejudiquem o desenvolvimento da planta. Vem sendo mais utilizado, principalmente, pelos pequenos produtores, pela facilidade de aplicação.

O período de ocupação do piquete corresponde ao período de permanência dos animais no piquete. Ele vai depender do ritmo de crescimento das plantas forrageiras e da estrutura disponível. Deve ser mais curto (01 dia de ocupação) apenas em sistemas de uso intensivo da pastagem, podendo chegar até a uma semana, em áreas mais extensivas. Quanto menor for o período de ocupação da pastagem, maior será o controle do homem sobre o pasto.

O período de descanso é o tempo necessário para a planta voltar a crescer e está em função da espécie forrageira. Os perfilhos das plantas forrageiras mantêm um número relativamente constante de folhas e, após ser atingido esse número, sempre que surgir uma folha nova a mais velha irá desaparecer. Assim, o período de descanso é variável porque o ritmo de crescimento da planta sofre influência das condições ambientais, tais como, temperatura, luz, presença de nutrientes e água no solo. Ele deve coincidir com a maturação da última folha lançada pelo perfilho. Na Tabela 2 encontramos os períodos de descanso sugeridos para as diversas forrageiras tropicais. Observa-se que existe uma amplitude, que está em função da estação do ano: uma espécie forrageira deve apresentar período de descanso mais curto na primavera, quando o tamanho do dia (fotoperíodo) é crescente, as chuvas são normais e está havendo mineralização orgânica do solo que fornece nutrientes para a planta ou se está aplicando adubos; no verão, pode ser usado o período de descanso intermediário sugerido na tabela; no outono, quando aquelas condições ambientais já não são tão favoráveis, deve ser utilizado o maior período de descanso; e no inverno este período pode ser o dobro dos períodos sugeridos. Esta variação objetiva respeitar o ritmo de crescimento da forrageira e o de manter uma mesma cobertura de pasto antes e após o pastejo ao longo do ano. A altura do resíduo pós-pastejo, que representa a quantidade de forragem que fica no pasto após a saída dos animais, também é variada em função dos mesmos fatores ambientais comentados acima e da forma de exploração da planta forrageira. Resíduos mais baixos devem ser utilizados em sistemas com altos níveis de adubação, para permitir a penetração de luz na base da touceira como forma de estimular o perfilhamento basal, e mais altos em sistemas sem adubação ou com baixos níveis de fertilizantes, para causar menos stress à planta já que as condições de rebrota não são tão favoráveis (Aguiar, 1998).

Tabela 2: Período de descanso, altura de entrada, altura de resíduo no início do período chuvoso e resíduo médio durante o ano de algumas gramíneas forrageiras.

Forrageira               (nome comum)

Período de descanso na época das chuvas

Altura de entrada (cm)

Resíduo início das chuvas (cm)

Resíduo médio durante o ano (cm)

Braquiarão, Decumbens

24 a 35

40 a 60

10 a 15

20 a 30

Colonião, Tanzânia

26 a 35

80 a 90

15 a 20

30 a 50

Coast cross, Estrela

18 a 30

25 a 30

5 a 10

15 a 20

Humidicola, Dictyoneura

21 a 30

25 a 30

5 a 10

15 a 20

Napier, Cameroon

35 a 45

110 a 120

20 a 30

40 a 50

Pangola

21 a 30

25 a 30

5 a 10

15 a 20

Andropogon

21 a 30

35 a 40

10 a 15

20 a 30

Fonte: Adaptado de Aguiar (1998) e Benedetti (1999)

Quando da implantação do sistema de pastejo com lotação rotacionada, deve-se dar preferência à confecção de piquetes com forma quadrada ou retangular, sendo que o comprimento não deve ultrapassar em três vezes a medida da largura, pois assim os piquetes serão pastejados mais uniformemente. Objetivando diminuir custos de implantação, as fontes de água e sal mineral, além da sombra, devem ficar situadas em uma única área (área de lazer), que é comum a todos os pastos e deve ficar em uma posição estratégica, permitindo que os animais andem o mínimo possível para ter acesso a ela. As divisões de pastagens devem ser feitas com cercas eletrificadas, que possuem um custo de implantação bem abaixo das cercas convencionais.

Nas estações outono e inverno as condições climáticas, luminosidade, temperatura e umidade mais baixas, ocasionam a maturação da forragem com conseqüente decréscimo do seu valor nutritivo. Isto ocorre devido à passagem de seu estado vegetativo para o reprodutivo, aliado ao processo de lignificação da parede celular diminuindo os níveis de proteína, energia, minerais e vitaminas disponíveis para os animais. Sendo assim, na estação seca do ano, fica impossível mantermos a mesma produção de leite obtidas nas águas devido à baixa quantidade e qualidade nutricional das pastagens. Para não prejudicar a produção diária de leite da fazenda, os animais em lactação precisam ser suplementados, em nível de cocho, durante esse período, que varia de 90 a 150 dias por ano, através da utilização de volumosos verdes, como a cana-de-açúcar corrigida com uréia e enxofre e o capim elefante, volumosos conservados, como silagens e fenos, e alimentos concentrados, grãos e farelos, para as vacas que produzem leite acima da média do rebanho.

Um eficiente manejo sanitário, com adoção de um calendário zoosanitário regional, e um bom manejo reprodutivo, objetivando principalmente a redução de intervalos entre partos para próximo de 12 meses, são também requisitos básicos para se atingir a eficiência em sistemas de produção de leite.

A atividade leiteira é conhecida como sendo um negócio de margens de lucro reduzidas e somente aqueles que conseguirem reduzir os custos de produção e aumentarem o volume de leite comercializado é que conseguirão ficar na atividade. Em nossa Região, os sistemas de produção de leite que utilizam racionalmente a pastagem como fonte predominante de alimentação ou com uso de quantidades moderadas de concentrados em épocas estratégicas, é a alternativa mais viável, em termos econômicos, visto que possuímos solos de média a alta fertilidade natural e condições climáticas favoráveis, que permitem a produção de forragem praticamente durante todo o ano, tornando a produção de leite a pasto uma das atividades mais competitiva sobre o uso da terra.

Bibliografia

AGUIAR, A.P.A. Sistema de pastejo rotacionado. In: CURSO DE MANEJO DE PASTAGENS. Itapetinga, 2003. Apostila 1... Itapetinga: SEBRAE, 2003. p. 66-99.

AGUIAR, A.P.A; ALMEIDA, B.H.P.J. Elaboração de projetos para sistema de produção de leite a pasto – uma abordagem empresarial. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE RAÇAS ZEBUÍNAS. 3, Uberaba, 1988. Anais... Uberaba: ABCZ, 1988. p.246-293.

ANUALPEC. São Paulo: FNP, 1999.

ANUALPEC. São Paulo: FNP, 2001.

ASSIS. A.G. Produção de leite a pasto no Brasil. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE PRODUÇÃO ANIMAL EM PASTEJO. Viçosa, 1997. Anais... Viçosa: UFV, 1997. p. 381-409.

BENEDETTI, E; Produção de leite a pasto – bases práticas. Salvador: SEAGRI, 2002. 176p.

MARASCHIN, G.E. Sistemas de pastejo 1. In: SIMPÓSIO SOBRE MANEJO DA PASTAGEM. 8, Piracicaba, 1986. Anais... Piracicaba: FEALQ, 1986. p. 261-290.

NOTICIÁRIO TORTUGA. São Paulo, Informativo Nº 432, jul/ago 2003, p11.

RODRIGUES, L.R.A; REIS, R.A. Conceituação e modalidades de sistemas de pastejo rotacionado. In: SIMPÓSIO SOBRE MANEJO DA PASTAGEM. 14, Piracicaba, 1997. Anais... Piracicaba: FEALQ, 1997. p.1-24.

 

Ronaldo Silva Sousa
Zootecnista e Professor da EMARC-ITAPETINGA (CEPLAC/CENEX)