NORMAS PARA PLANTIO DE MUDAS DE CACAUEIRO PROPAGADAS POR ESTAQUIA

ÉPOCA DE PLANTIO

A época de plantio está relacionada ao conteúdo de água no solo, característica essa que responde na maioria dos casos pelo sucesso do plantio de mudas clonais. Na região cacaueira do Sul da Bahia, deve-se optar pelo início da estação chuvosa de inverno (meses de junho a julho). Plantio de cacaueiros em outras épocas dependem de chuvas, irrigação complementar, situação da área (declive), posicionamento em relação ao sol (expostas ao sol pela tarde contribui para maior estresse), tamanho da cova e existência de sombreamento adequado, etc.

Plantio direto

Caso atenda às exigências da época de plantio, abertura de cova, sombreamento, umidade do solo, adubação, calagem e, a idade das mudas esteja situada entre 5 e 6 meses, é recomendado o plantio direto no campo. Neste caso, quanto mais rápido as mudas forem transportadas do tubete para o campo, melhores serão os índices de sobrevivência. Antes do plantio recomenda-se realizar irrigação das mudas ainda nos tubetes.

Repicagem em sacos de polietileno

Quando a área não apresentar condições que permitam o plantio direto as mudas devem ser repicadas para sacos de polietileno nas dimensões de 16 x 40 x 08 cm. Nesse caso, o produtor deverá construir um viveiro com 60% de sombreamento, tendo o cuidado de: (i) escolher o terriço – coletando solo da camada de 40 cm – (ii) não utilizar casqueiros velhos como adubo orgânico – (iii) realizar adubação mineral – (iv) encher, parcialmente, o saquinho até a altura aproximadamente de 5 cm – (v) retirar a muda do tubete – (vi) centralizar a muda no saquinho (Figura 3), tendo-se antes o cuidado de colocar uma camada de 5cm de terriço no fundo do saquinho e de deixá-la cerca de 2 cm abaixo da borda do mesmo, depois, adicionar terriço, pressionando-o suavemente, até completar o volume. O tempo decorrido entre a chegada das mudas à propriedade e a repicagem deverá ser de no máximo uma semana.

FINALIDADE

Em princípio, as mudas de cacau produzidas por estaquia deverão ser utilizadas para recomposição de estandes, ou seja, aumentar o estande médio da região dos atuais 500 a 600 plantas/há para aproximadamente 1.100 plantas/ha. Contudo, isso não inviabiliza a opção de uso das mudas em áreas de implantação.

PREPARO DA ÁREA

Abertura e adubação de covas:

Em solos de média a alta fertilidade, unidades Cepec modal (Luvissolo Crômico órtico típico) e Cepec rochoso (Argissolo Amarelo eutrófico), abrir covas com dimensões 30 x 30 x 40 cm. Para solos ácidos e de baixa fertilidade, unidades Una, Valença, Água sumida (Latossolo Vermelho-Amarelo distróficos, Argissolo Amarelo distrófico) e unidade Itabuna e Vargito distrófico (Alissolos Crômico argilúvico abrútico), abrir covas de 40 x 40 x 40 cm.

Em solos hidromórfícos de textura argilosa (Gleissolo Háplico) e aluvial textura argilosa (Neossolo Flúvico psamítico típico) e unidades Itabuna e Vargito distrófico, as covas devem ter as dimensões de 40 x 40 x 50cm, sendo imprescindível a realização de drenagem antecipada na área com valetas de 70 a 80 cm de profundidade.

PLANTIO DAS MUDAS

Considerando que a cova já foi aberta, cheia com terra, e devidamente adubada, o plantio da muda deve obedecer à seguinte seqüência:

Mudas de tubete:
- regar as mudas por ocasião da sua transferência para o campo
- abrir um buraco com o “furão” a fim de facilitar a deposição da muda sem “dobrar” as raízes.
Obs.: o furão é um pedaço de madeira roliça, com cerca de 1 m de comprimento e 25 cm de diâmetro, cuja extremidade basal vai afunilando a partir dos últimos 25 cm, à semelhança da ponta de um lápis.
- colocar a muda no buraco, atentando para que o torrão fique a cerca de 5 centímetros abaixo do nível do solo;
Obs.: quando a área for declivosa, não esquecer de posicionar a muda no buraco com a inclinação da brotação principal voltada pra a parte de cima da encosta, procedimento que contribui para melhor fixação da planta quando adulta.
- completar o volume do buraco com solo, seguido de rega (para promover melhor contato entre solo e raízes), complementando pela leve compactação do solo ao redor das raízes, a fim de eliminar “bolsões” de ar;
- fazer cobertura morta ao redor da muda (cerca de 50 cm), utilizando-se de resíduos do sombreamento provisório, a fim de minimizar a perda de água e nutrientes do solo.

Mudas de saco de polietileno
- abrir um buraco na cova re-enchida com cavador articulando ou “boca de lobo”, cujas dimensões comportem o torrão da muda;
- depositar o torrão no buraco, atentando para que fique cerca de 5 cm abaixo da superfície do solo;
- completar o volume do buraco com terra da superfície e pressionar este material ao redor do torrão.

Sugere-se consulta à cartilha: Normas para o plantio de mudas propagadas por estaquia: atualização. Autores: Marrocos et al. 2003. Ilhéus, Ceplac/Cepec.

Adequação do sombreamento provisório

Durante os primeiros 60 dias do transplante, as plantas necessitam de maior sombreamento, pois estão adaptando-se às novas condições ambientais; no sombreamento pode ser utilizado, preferencialmente, a bananeira ou a gliricidia (Figuras 13 e 14). Após esse período, e por ocasião da adubação básica, deve ser realizada poda das árvores do sombreamento provisório com objetivo de reduzir sombra para cerca de 35%, em relação ao estágio inicial. Essa prática deve ser repetida a cada quatro meses de acordo com a necessidade da área.

Cobertura morta

Deve ser realizada por ocasião da adequação do sombreamento provisório e da limpeza da área. É fundamental para diminuir a concorrência por água e nutrientes entre os cacaueiros e as plantas invasoras. Quando do uso do pseudo-caule de bananeira, este deve ser dividido em pedaços de aproximadamente 50 cm, abertos ao meio e depositados, ao redor do cacaueiro, com a face cortada voltada para o solo (Figura 15).

PODA DE CACAUEIROS

A poda do cacaueiro é feita com finalidade de permitir à planta um crescimento ordenado, equilibrado, adequando sua arquitetura para produção de frutos e determinar seu tamanho final.

Tipos de poda:
- educação ou formação
- manutenção
- produção

Época de Realização

-Poda de Educação – De três a quatro meses após o plantio dos cacaueiros no campo, selecionar o ramo mais vigoroso, que apresentar melhor crescimento vertical e proceder o corte do ramo central (Figuras 16 a e b).

-Poda de Manutenção – Deve ser realizado permanentemente sempre que a planta emitir ramos indesejáveis, tais como: chupões, ramos ladrões, galhos secos e desequilibrados. Essa prática deve ser efetuada de forma leve para provocar o rejuvenescimento da planta através de lançamentos novos que irão melhorar o seu aspecto e sua atividade fotossintética (Figura 17).

-Poda de Produção – Proceder a limpeza do excesso de ramos, sobretudo quando estiverem entrelaçados na copa, a fim de permitir maior aeração e melhor arquitetura do cacaueiro. Deve ser realizada de dentro para foram, sem contudo, abrir espaços que possam dar lugar a entrada de luz solar sobre o eixo central do cacaueiro (Figura 18).

A prática da poda no cacaueiro, quando realizada sem a observância dos critérios técnicos resulta em prejuízos como:

- Redução da capacidade produtiva da planta.
- Favorecimento do crescimento de ervas daninhas no solo.
- Aumento de despesas em conseqüência das freqüentes roçagens.

 

Jorge Luiz Cordier Lima
Cepec/Senup